Tendências de ameaças cibernéticas para 2022

10 de novembro de 2021
Adriano Martins Antonio

Não é de hoje: os ataques cibernéticos acontecem há muito tempo. Eles só estão ganhando mais espaço e oportunidades pela transformação digital acentuada.

Em meio a tudo isso, as violações de dados também aumentaram significativamente. A exposição de suas informações pode não só interferir na perda financeira, mas também na imagem da empresa.

As ameaças cibernéticas estão crescendo em escala global e já é considerado mais caro do que o comércio ilegal de drogas. 

O que acontecerá no próximo ano? Veja abaixo quais são as principais tendências de ameaças cibernéticas em 2022 para que você melhore a segurança de TI de sua empresa.

Tendências de ameaças cibernéticas para 2022

Entre os quase dois anos de pandemia, os cibercriminosos aproveitam a pandemia do novo coronavírus, o estímulo para o trabalho remoto e a própria vulnerabilidade das empresas.

Inclusive, já foi comentado sobre como o trabalho remoto pode ser arriscado para a segurança cibernética aqui no blog.

De toda forma, para 2022 podemos esperar tanto dessas ameaças cibernéticas já recorrentes como uma série de desafios de segurança para as organizações. Fique atento!

Criptomoedas serão usadas nos ataques

O dinheiro digital vem se popularizando e acaba virando um alvo claro para os criminosos. Hackers são capazes de roubar e manipular os bitcoins e altcoins, o que sugere que a cibersegurança precisa encontrar novas formas de proteger esses dados.

Assim, para 2022 é provável que ocorra um aumento nos ataques relacionados à criptomoeda, justamente porque há pouco tempo houve relatos de roubo de carteiras cripto por meio de falhas de segurança.

Campanhas de desinformação/Fake news prevalecem

Muitas pessoas até hoje não entendem o impacto gerado pelas fake news.

As notícias falsas se espalharam durante o ano anterior pelas mídias sociais e outras fontes sobre assuntos polêmicos, como a pandemia da Covid-19 e a eficácia das vacinas.

Nesse caso, as ameaças cibernéticas se concentraram em lucrar vendendo certificados de vacina falsos, campanhas de phishing e golpes. 

Para 2022, os criminosos continuarão a promover essas ações, sem esquecer que durante um ano de eleições há ainda mais oportunidades para esses tipos de fraudes e crimes.

Crescimento nos ataques à cadeia de suprimentos

Igualmente, um tipo de ameaça cibernética que terá um crescimento em 2022 envolve a cadeia de suprimentos.

Ou seja, esse tipo de ataque não afeta apenas a empresa em si, mas tem um efeito cascata que irá prejudicar clientes, provedores, parceiros e outras pessoas.

Os cibercriminosos podem usar vários tipos de ataques, como a violação de dados e infecções por malware. E a tendência para o próximo ano é gritante!

A proteção das redes mais vulneráveis deve ser uma das tarefas essenciais para 2022, tanto no setor privado quanto público, assim pode-se identificar e combater mais grupos que operam em âmbito regional ou até mesmo global.

Ataques de malware móvel também crescerão

Das ameaças cibernéticas mais comuns e que continuarão crescendo em 2022, podemos citar o malware móvel, ainda mais pelo uso cada vez mais recorrente de carteiras digitais e plataformas de pagamento. 

Conforme os dados publicados pela Check Point, 97% das organizações em 2020 enfrentaram ameaças móveis de vários vetores de ataque.

De lá para cá, os cibercriminosos estão evoluindo e adaptando as técnicas para explorar a dependência que possuímos com os dispositivos móveis. 

A tecnologia Deepfake será utilizada

Em seguida, aparece a tecnologia Deepfake, que engloba ferramentas e técnicas de criação de vídeo ou áudio falsos que são muito convincentes. 

Para 2022, os cibercriminosos farão uso desses arquivos para inúmeros objetivos: manipulação de opiniões, preços de ações e roubo de dinheiro, por exemplo.

Certos ataques podem ser tão graves que chegam até ao nível de espionagem avançada.

Vulnerabilidade dos microsserviços

Os microsserviços se tornaram um método comum quando se fala de desenvolvimento de aplicativos. 

Além disso, a arquitetura deles está sendo adotada por Provedores de Serviços em Nuvem (CSP), pois é suportado por um maior número deles.

Por ser uma tendência, é também um alvo muito popular para os cibercriminosos, que utilizarão as vulnerabilidades existentes nos microsserviços para lançar ataques em grande escala, com foco direto nos CSPs.

“Guerra fria” cibernética

Por último, podemos citar a guerra fria cibernética entre as diferentes nações. Sua intensificação vem sendo destacada para 2022, onde haverá mais pressão sobre os governos ocidentais para que eles continuem desestabilizando a sociedade, especialmente governos rivais.

Sobretudo, nessa ameaça cibernética, é possível lembrar da presença de grupos e atividades terroristas, que aproveitarão a infraestrutura e os recursos tecnológicos para lançar ataques cada vez mais generalizados e melhorados.

Aprimore seu conhecimento: Ameaças Cibernéticas – Conheça seus inimigos!

Conclusão

Em suma, as tendências de ameaças cibernéticas em 2022 estão se adaptando para explorar as situações em que a sociedade vive hoje para atingir ainda mais profundamente as redes das organizações.

Cada empresa precisa trabalhar em soluções adequadas para prevenir, pelo menos, a maioria dos ataques, sem que se interrompa o seu fluxo de negócios.

Portanto, se o artigo foi útil, compartilhe para mais pessoas estarem conscientes sobre o assunto. Confira os outros textos do blog e deixe seu comentário!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine Minha Newsletter

Fique por dentro das novidades e receba conteúdos exclusivos em seu e-mail.